Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 [Filler 43] Falta um Pedaço

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Ozzymandias

Membro | Nukenin
Membro | Nukenin


Sexo : Masculino
Idade : 60
Localização : Unknown
Número de Mensagens : 3930

Registo Ninja
Nome: Hiroshi Daisuke
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 30460
Total de Habilitações: 903,25

MensagemAssunto: [Filler 43] Falta um Pedaço   Ter 2 Set 2014 - 0:17

Em disparada pelas vias principais da Vila da Areia, o veículo desviava com agilidade os transeuntes que insistiam em atravessar sem cautela. O cavalo relinchava a cada puxão brutal que o cocheiro, através dos gritos desesperados das pessoas que sem entender, criminalizavam o homem pela falta de responsabilidade. Não demorou muito até que dois chuunins se aproximassem em velocidade quando seus vultos quicaram nas paredes à frente do veículo, ressurgindo no teto já com suas lâminas apontadas para o pescoço do pobre cocheiro. - Pare. Agora! - Inquiriu um deles, quando o homem receou pela sua vida e puxou as rédeas com toda força. O cavalo enfim arrastou seus cascos na fina camada de areia, levantando uma fina poeira até conseguir finalmente parar. Ofegante, o cocheiro suplicou que não o ferissem indicando que só estava cumprindo ordens do filho do patrão. Os dois ninjas sequer aguardaram que o homem terminasse a justificativa e saltaram para a lateral do veículo para abrir a portinhola com rapidez. Com os olhos arregalados, os dois se espantaram com a cena que desenrolava no interior da cabine que tinha suas paredes totalmente tomadas por um líquido negro e viscoso. - Ajudem-me. - Sussurrou Daisuke, totalmente coberto de suor e sangue, esforçando-se para tampar o ferimento por onde vertia jatos desse líquido. Os ninjas perceberam logo a dor que o rapaz sentia e vacilaram um pouco para prestar auxílio, até que o mais corajoso deles adentrou no local e retirou a faixa que trazia em seu kimono. O líquido espirrou mais uma vez, sujando o chuunin que não se importou e rapidamente improvisou um torniquete, forçando a parada da hemorragia.

- Calma. Vamos levá-lo ao hospital. - Disse, ao puxar o jovem para fora.

- Ok. Vou à frente para avisar a equipe médica. - Acrescentou o outro, acenando ao sumir num rápido shunshin na direção oeste. Enquanto isso, queimando em febre, Daisuke lutava por sua vida e balbuciava palavras sem sentido enquanto segurava firmemente a plaqueta com desenho de ampulheta recém-conquistada. Preocupado com a vida do genin, o chuunin suspirou para concentrar sua força nas pernas e saltou alto para os telhados mais próximos na direção do hospital, deixando o cocheiro assustado no meio de inúmeros curiosos que se enojavam com o líquido espalhado pela areia. - Preciso contar aos patrões. - Comentou o homem para si mesmo, acabando por fechar a portinhola do veículo e estalar as rédeas novamente na direção da mansão dos Hiroshi. Enquanto isso, Daisuke conseguia sentir apenas a ventania passando por seus ouvidos, fazendo-o lembrar do tempo em que vivia à margem. Na época em que via o mar todos os dias. Nesse momento uma parada abrupta chacoalhou sua cabeça e sua visão embaçada podia apenas ver um trio de pessoas vestindo branco. Agora não conseguia entender mais nada. Jogado a uma maca, ele agora percebia pequenos fachos de luz que passavam por ele à medida que adentrava ao hospital. Murmúrios de pessoas, alguns gritos que pediam passagem. "Injetem." - Ele ouviu um dos vultos falar. Aquela palavra nunca mais soara bem aos seus ouvidos, e seu corpo reagiu com espasmos involuntários. "Imobilizem." - Ouviu novamente. Só então sentiu as amarras em seus braços e pernas. Não demorou muito até que após uma picada o fez perder de vez os sentidos na mesa de operação.

- Ele perdeu muito sangue. - Comentou o cirurgião.
- Vamos abrir. Traga o kit. - Respondeu o outro.

Rapidamente a enfermeira trouxe algumas bolsas de sangue e alguns instrumentos cirúrgicos. O médico então aplicou no jovem uma substância esverdeada que conseguiu estancar parte da hemorragia resistente assim que o torniquete deixou de pressionar a perna esquerda. Pegando algumas gazes de algodão e um recipiente com soro, a enfermeira limpou toda a área que agora ganhara um tom escuro graças à substância que agora percorria o sistema do garoto. - Nossa... - Disse a mulher quando finalmente terminou de limpar a abertura do ferimento que se abrira de maneira grotesca, e que agora conseguia mostrar algo próximo ao fêmur escurecido. Acenando para o primeiro doutor, a enfermeira juntou todo o material usado na limpeza e o depositou numa grande lixeira na sala próxima, caminhando com passos apressados para as pias para se lavar e retornar em tempo de acompanhar todo o procedimento. - Vamos começar. - Falou o médico chefe, buscando um bisturi na mesa, ao mesmo tempo em que o outro concentrava chakra nas mãos e as tocava na altura do pescoço do operado, tentando diminuir a febre e a proliferação das bactérias. A lâmina então tocou a carne, abrindo espaço para o bisturi elétrico que cauterizava os pontos da hemorragia. Então, quando enfim o ferimento não vertia mais sangue, o cirurgião pediu que lavassem a ferida mais uma vez. A enfermeira obedeceu, jogando o líquido transparente na abertura para revelar a extensão dos danos. Novamente os olhos dos médicos ficaram arregalados e a pinça foi usada para retirar um fragmento de osso, que se partiu numa leve pressão, como um graveto escuro e seco. Assustados, os profissionais suspiraram por já saberem qual seria a solução para esse nível de infecção. - Traga-me a serra. - Sussurrou o médico chefe à enfermeira.


******


O vento e a luz do sol atravessavam a janela aberta, por onde se podia ver o imenso e limpo céu azul. Lá de dentro de seu quarto, ele ainda podia ouvir o ruído das pessoas que zanzavam com seus afazeres de um lado à outro da rua da frante. "Onde estou?" - Pensou o rapaz, com receio da resposta. Daisuke se lembrou da incrível dor que sentira e de todo líquido negro estourando em sua ferida assim que entrou no veículo. Lembrou-se de ser carregado. De sentir uma leve queimação em seu braço quando tudo finalmente escureceu. Porém, não sentia mais dor alguma. "Ainda no hospital." - Concluiu, aliviado. Mas para dizer a verdade, ele sentia um alívio estranho no corpo. Abrindo os olhos mais um pouco, o ninja percebeu seus pés escondidos sob o cobertor bege e tentou mexer os dedos. Uma perna respondeu ao comando, fazendo o lençol mexer alguns centímetros. Porém, o outro pé não se moveu. Talvez por causa de algum sedativo para protegê-lo de sua teimosia. Pelo menos a sua ansiedade sobre a perna foi apaziguada com a observação ligeira. Então, nesse momento, um ruído chamou sua atenção. Inclinando a cabeça para o local, ele viu uma enfermeira sair do banheiro do quarto com todas as toalhas sujas e avermelhadas. Silenciosamente, respeitando o paciente, a mulher fechou a porta com muita calma e saiu rapidamente para não incomodar. Tão rápido que não percebeu que o paciente já tinha acordado. "Há quanto tempo estou aqui?" - Perguntou-se. Não deveria ter passado tanto assim, apesar de não se lembrar de quando esteve tão descansado em seu passado recente. Estava tudo calmo e silencioso. Foi então que a enfermeira adentrou no quarto novamente. Finalmente seus olhos se encontraram.

- Que bom que acordou. Finalmente. - Respondeu a enfermeira.
- Quanto tempo eu dormi? - Perguntou o jovem, sorrindo.
- Você dormiu por cinco dias. Você é um rapaz forte.
- Ok. Quando poderei sair? Já falou com o médico? - Indagou, impaciente.
- Ainda não. Tens que fazer fisioterapia. - Aproximou-se com um termômetro.
- Não preciso mais. Estou ótimo! - Inquietou-se ao puxar o lençol.

O rapaz arregalou os olhos e seu coração quase parou com a visão repentina. Realmente não tinha estômago para falar, mas mesmo assim, enjoado, exclamou um palavrão tão sujo que fez a enfermeira corar. E continuou: - Onde está minha perna?! - Gritou à mulher, enquanto apontava para uma prótese de um material que não reconhecia que se mesclava com sua carne a partir da virilha. A peça era perfeitamente esculpida e moldada como um membro normal, conseguindo simular uma perna real senão fosse a cor amarelada que destoava de sua pele pouco bronzeada. Agora sabia que lhe faltava um pedaço. - Seus pais autorizaram a substituição. - Concluiu a enfermeira, espetando o termômetro em sua axila. O Daisuke ainda estava sem palavras e sua cabeça girava com perguntas nervosas. Ainda seria um ninja? Voltaria a andar? Como é que ele alcançaria sua vingança?! Estas questões o impediam seu raciocínio, fazendo-o ser incapaz de pensar numa resposta aos comentários da mulher que parecia falar sem parar. Irritação. Foi o que aconteceu à medida que a enfermeira prosseguia com suas dúvidas sobre como se sentia ou se eu sentia alguma dor. - Não sinto dor! Acabaram de me cortar a perna! - Esbravejou furioso, terminando por assustar a mulher que derrubou a bandeja que carregava. Nervosa e apressada, ela recolheu os objetos desajeitadamente e saiu como uma bala pela porta para comunicar ao médico que o paciente acordara, mas deu de cara com o fisioterapeuta. Os dois se chocaram e mais uma vez a enfermeira derrubou a bandeja num estrondo metálico. - Calma. - Comentou o doutor. Envergonhada, ela não respondeu e sumiu pelo corredor.

- Muito bem. Vamos começar a trabalhar nessa perna. - Concluiu o homem, sorridente.


CONTINUA...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Tio Tsu

Administrador | Outras Vilas
Administrador | Outras Vilas


Sexo : Masculino
Idade : 20
Localização : Nárnia, where unicorns tend to live!
Número de Mensagens : 5773

Registo Ninja
Nome: Katsu Imagawa
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 563
Total de Habilitações: 717

MensagemAssunto: Re: [Filler 43] Falta um Pedaço   Ter 2 Set 2014 - 11:35

Parece que afinal o teste Genin foi um erro xd. Mas, mais ou cedo ou mais tarde o Daisuke iria levantar-se e forçar a perna. Não sei se a infeção desapareceria com o tempo, mas caso isso não acontecesse, então força-la e perde-la o quanto antes seria realmente a melhor solução (mesmo que ele não soubesse disso).

Bem, quando tudo parecia correr bem, ficou sem perna... Desconfio que vais meter-lhe com um daqueles membros mecânicos, ao estilo do Haetae. Acho que o Daisuke vai fazer tudo por tudo para conseguir a sua vingança, nem que vá rastejar meio mundo com apenas os braços.

Continua ^^
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.narutoportugalrpg.com/rpg_sheet_edit.forum?tid=12c1c6
Bruno Moraes

Administrador | Iwa
Administrador | Iwa


Sexo : Masculino
Idade : 28
Localização : Em algum lugar de lugar nenhum
Número de Mensagens : 3430

Registo Ninja
Nome: Kyo Kusanagi
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 14350
Total de Habilitações: 733,75

MensagemAssunto: Re: [Filler 43] Falta um Pedaço   Qua 3 Set 2014 - 23:42

Pelo jeito Daisuke ainda faltava perder mais uma coisa, pelo menos ele está em Suna e é um local perfeito para achar uma boa prótese e assim conseguir andar novamente. Com o aprendizado do Kugutstu creio que logo ele irá aprender a andar com a nova perna e ainda ganhará novas habilidades. Está bem interessante a sua historia e espero que continue com ela, conseguiu criar uma nova característica fazendo se “esquecer” do Kimura com um personagem mais carismático. Apesar de que para mim o Kimura ainda tinha muito que dá. Mas mesmo assim estou feliz por evoluir tanto a Historia e as Habilidades de seus personagens.

Força na Historia!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[Filler 43] Falta um Pedaço
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Sunagakure :: Fillers-
'); }