Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 [Filler 52] Pesadelo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Ozzymandias

Membro | Nukenin
Membro | Nukenin


Sexo : Masculino
Idade : 60
Localização : Unknown
Número de Mensagens : 3919

Registo Ninja
Nome: Hiroshi Daisuke
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 30460
Total de Habilitações: 903,25

MensagemAssunto: [Filler 52] Pesadelo   Seg 27 Out 2014 - 1:35

Mais uma noite no pequeno vilarejo de Sun Wukong, o deus macaco. Aquele nome fora dado na sua fundação, quando pescadores que trabalhavam nas águas rasas do canal encontraram uma pequena estátua deste deus aos pés daquela duna permanente, totalmente enterrado há alguns centímetros na areia. Um sinal de boa sorte, talvez. Pelo menos essa era a história contada às crianças no orfanato mal-acabado às margens do paredão arenoso que oferecia proteção aos olhos gananciosos dos piratas. Mas quem enterrou a estátua, madre? - Lembrava a idosa, pensando na aula que lecionara há algumas horas aos quinze órfãos sob seus cuidados. Mal sabiam eles que a estátua original está em algum museu em Suna, enquanto a réplica fora doada por um financiador desconhecido. - No momento certo contarei. - Sorria s mulher. Aquela era uma vida tranquila, mas ocupada. Não era fácil cuidar dos quinze e por isso Kanma solicitou uma ajudante há cerca de alguns meses. O trabalho melhorou e agora a madre podia se concentrar no aprendizado dos jovens. Porém, há dois meses sua ajudante anda bastante distraída. Queimando a comida e falando sozinha. Isso desde o mais recente ataque pirata, quando elas e as crianças foram salvas por um milagre do deus macaco. - Hora de estender as roupas no varal. - Sussurrou para si tentando não acordar as crianças que roncavam no salão principal. Com os pés cobertos por um par de meias macias, Kanma juntou as roupas recém-lavadas pela noviça, levando-as para o lado de fora e assim descansou o balde no chão para começar o trabalho.

- Nem vou perguntar onde ela está. - Sussurrou ao olhar para o alto da duna, enquanto puxava mais uma camisa para estender no varal. Era onde Yuka passava a maioria das suas noites. Segundo ela, estava apenas buscando um local para realizar sua oração longe das crianças, mas Kanma sabia que aquilo não era verdade. A coitada vive preocupada com um novo ataque. Era o que a madre pensava, balançando a cabeça já esperando a moça para ajudá-la. Enquanto isso, Yuka sentia a brisa do mar, tentando identificar o cheiro do pirata da qual se apaixonara. Fazia algum tempo que não tinha notícias. Sentia medo pela segurança do jovem. Medo de nunca mais vê-lo. Sun Wukong não seria tão malvado. - Desejava a moça, olhando para o horizonte escuro em um céu sem lua. Ao longe, só o brilho intermitente de alguns relâmpagos cujo ruído chegavam atrasados aos seus ouvidos. Uma tempestade se aproximava, mas os preparativos para enfrentá-la estavam prontos desde o início da estação chuvosa. O templo estava quase pronto e as crianças, mais felizes que nunca. Yuka deveria estar agradecida pela tranquilidade e paz que tinha naquele local, muito diferente de quando abandonou a residência de seus pais adotivos e entrou para a religião. Pelo menos sob a proteção das irmãs, ela não mais sofreria abusos de do homem que a adotou. Aqueles pensamentos lhe arrancaram uma gota de lágrima, obrigando-a a enxugar o canto do olho. Nunca mais.

Já está na hora de dormir. - Pensou, disposta a descer de lá para terminar de ajudar a madre quando sua última olhada na água do mar fez seu coração palpitar. Das sombras surgiu um bote que vinha na direção da praia. Seria Saru? Ele finalmente havia retornado? A garota então juntou as mãos como se agradecesse o desejo realizado quando mais um bote surgiu. E mais um, e mais um. Não era ele... Yuka logo reconheceu os murmúrios roucos e as vozes ameaçadoras vindas do pé da duna. Os primeiros já tinham desembarcado. - Piratas! - Sussurrou apavorada. PIRATAS! - Tremeu. Suas pernas não conseguiam se mover. Abanando as mãos para os poucos guardas que vigiavam o entorno da entrada principal do vilarejo, a mulher sabia que estavam em perigo mortal. - KANMA! AS CRIANÇAS! - Suplicou à madre que até o momento não conseguia entender o motivo da aflição da moça quando a viu disparar duna à baixo. - PIRATAS! - Gritou mais uma vez, tentando não cair. A madre finalmente tinha entendido. Um ataque surpresa. A mulher não aguardou a companheira terminar de descer e já entrou no pequeno salão do orfanato para acordar as crianças, sob o sino de alerta que acabara de soar. Sonolentas, os quinze meninos e meninas praticamente foram jogados pelo alçapão quando Kanma aguardou Yuka por alguns segundos. Ela não apareceu. Foi então que viu a sombra de dezenas de piratas correndo nas laterais do orfanato. Eles bufavam e fediam como gambás. Não havia mais tempo.

Prendendo o choro, a velha desceu os degraus até as crianças, fechando o alçapão atrás dela. Isoladas da vila e nervosas, ela e os órfãos esperavam ouvir a retirada dos bandidos com a chegada do navio patrulha que chegaria com o alarme dado pelo sino, mas infelizmente essa ajuda não chegou. Algo havia acontecido com a nau. Agora, no vilarejo de Sun Wukong, somente gritos e lamentações ecoavam através das frestas do piso de madeira do templo. Mas onde estaria Yuka? Kanma rezava com todas as forças para que a noviça estivesse bem... - Aqui dentro não há ninguém. - Avisava o pirata, correndo de volta ao centro da praça, onde eram colocados todo o fruto do roubo. Exatamente como antes. Vamos rezar. - Sussurrou a madre, tentando acalmar as crianças que suspiravam e soluçavam baixinho com receio de serem encontradas. Os órfãos obedeceram, juntando as mãos em inocência. Tudo iria acabar bem no final. Mas não era bem assim. Logo, mais dois piratas adentraram no templo. Um deles mancava e fedia a rum. O outro era mais jovem, corpulento. - Deve estar por aqui. - Perguntou o mais velho. Lian caminhou até a estátua gigante de Sun Wukong e a estudou com muito cuidado. - Nada. Nenhum inscrição. - Respondeu, decepcionado. Talvez por baixo. Foi então que o rapaz usou toda força para empurrar a estátua que fez o piso ranger. Mais uma vez não havia nada. O que será que eles procuravam? - Pensou Kanma, preocupada em não ser descoberta.

- Merda. Pista errada. - Esbravejou Barba-de-Ferro.
- Verdade. Deve ser em outra ilha. - Concluiu.
- Ok. Queimem tudo. Não deixem pistas. - Comandou o velho.

Outros piratas entraram com tochas enquanto outros começaram a espalhar querosene em toda estrutura de madeira. Por Wukong. Não. - Pensou a irmão, apreensiva pela segurança das crianças. Apressadamente, ela se libertou do abraço de uma garotinha e subiu os degraus para abrir o alçapão em silêncio, mas seu coração gelou quando percebeu que a pesada estátua do deus macaco fora arrastada para lá. Estavam trancadas no subsolo. - Aqui! Socorro! - Gritou a velha, esperando ser salva pelos piratas que ainda não tinham incendiado o local. As crianças imitaram a irmã e também começaram a gritar em desespero. Não demorou muito para que um dos incendiários se aproximasse de uma das frestas e visse a irmã e os órfãos. - Capitão. Temos uma mulher e crianças aqui. - Avisou. Barba-de-Ferro se virou e enquanto pesquisava um livro antigo às mãos, acenou para Lian. Arrastando alguns escravos para a lateral de uma residência, Lian deu de ombros e falou: - O Capitão mandou queimar, não foi? Nesse momento Yuka gritou e suplicou pela vida das crianças e da irmã. Amarrada como escrava, ela logo desmaiou quando o jovem a atingiu com um forte soco no rosto... Tudo escureceu. A noviça apenas sentiu o cheiro de querosene queimado antes de perder totalmente a consciência. O fogo logo tomou conta do templo. Não havia saída. Kanma e as crianças gritaram o quanto podiam até que, uma a uma, as vozes foram sumindo.


CONTINUA...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Tio Tsu

Administrador | Outras Vilas
Administrador | Outras Vilas


Sexo : Masculino
Idade : 20
Localização : Nárnia, where unicorns tend to live!
Número de Mensagens : 5773

Registo Ninja
Nome: Katsu Imagawa
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 563
Total de Habilitações: 717

MensagemAssunto: Re: [Filler 52] Pesadelo   Seg 27 Out 2014 - 17:26

Awn, então é assim que a Yuka e o Daisuke se vão encontrar novamente? Só tenho pena que seja pelos piores motivos xd.

Então parece que o ataque à vila do Wukong (vou chamar-lhe assim porque já não me lembro do nome xd) não tinha sido um mero capricho. Existe lógica por detrás das ações do Lian e dos piratas. Agora só falta descobrir qual é ;3.

Continua ^^
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.narutoportugalrpg.com/rpg_sheet_edit.forum?tid=12c1c6
Bruno Moraes

Administrador | Iwa
Administrador | Iwa


Sexo : Masculino
Idade : 28
Localização : Em algum lugar de lugar nenhum
Número de Mensagens : 3430

Registo Ninja
Nome: Kyo Kusanagi
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 14350
Total de Habilitações: 733,75

MensagemAssunto: Re: [Filler 52] Pesadelo   Ter 28 Out 2014 - 21:30

Lian realmente é alguém que não merece ter o Dom da vida, não acredito que essas ações serem algo que seu pai aprovaria. Acredito que esse deve ter um destino bem cruel a esperar por ele, pois como dizem você acaba colhendo o que planta, no caso ele está a plantar cada vez mais crueldades e por isso não deve ter uma safra saudável. A expectativa do encontro Lian e Daisuke é grande e aposto que todos que estão a ler estão a esperar esse momento.

Força na Historia!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[Filler 52] Pesadelo
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Sunagakure :: Fillers-
'); }