Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 [T22 - Nara Tora] Porrada

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Eve

Administrador | Konoha
Administrador | Konoha


Sexo : Feminino
Idade : 24
Localização : Hellcife
Número de Mensagens : 3002

Registo Ninja
Nome: Nara Tora
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 6885
Total de Habilitações: 267,75

MensagemAssunto: [T22 - Nara Tora] Porrada   Qui 21 Jul 2016 - 18:00



O sol já se punha no horizonte, e a noite prometia ser muito divertida. Afinal, era o terceiro dia do festival local, que durava cinco. Exatamente o auge da festa. Tora desde cedo já circulava pelas ruas, experimentando as bebidas, enquanto Raiden provava as comidas típicas. Havia uma infinidade de comes e bebes, e a música que envolvia os presentes era convidativa a uma dança - que prontamente a Nara participava arrastando seu sensei pelo braço. Tudo estava na mais perfeita ordem e harmonia, quando de repente alguém é jogado violentamente no chão perto da konohanin:

- Vagabunda! - gritava uma voz grave.

A chuunin parou imediatamente de dançar, estendendo sua mão à moça caída. Seus trajes eram simples, e uma lágrima em cada um de seus olhos era contida com o maior esforço. Tinha os joelhos, braços e mãos feridos, provavelmente por conta da queda no calçamento de pedra do vilarejo. A moça agradecia a ajuda, e escondia-se atrás da Nara quando a voz de seu agressor voltava a ecoar na festa:

- Vagabunda! Tem que morrer!

- Oh, então o valentão acha que pode sair machucando moças à esmo? Acho que alguém aqui não teve educação... - ironizava ela, olhando para o rapaz quase meio metro maior que ela.

- Pff, arrumaste uma nanica para defender-te, vadia? Apanha-me tu e ela! - ele proferia tais palavras, levantando a mão em direção às duas mulheres.

A desconhecida continuava a chorar, mas Tora agilmente dava um pulo para a esquerda, levando consigo a moça às costas. Numa explosão de chakra para usar o shunshin, ela abaixava-se velozmente e apoiada com as mãos no chão, executava facilmente uma "tesoura" naquele homem, jogando-o com relativa facilidade ao chão, e com a mesma velocidade punha-se novamente em pé. Era visível a irritação de seu oponente, que parecia conhecido no lugar por conta de seus imponentes músculos, que estavam tensos:

- Ah, vais pagar-me, sua anã! - ele rapidamente punha-se de pé, encarando os tranquilos olhos verdes da chuunin. - Mulheres como tu têm de conhecer uma boa coça para saber o lugar ao qual pertencem! - dizia ele, correndo em direção à Nara com o punho em riste.

- Mulheres não possuem donos e nem são inferiores, seu verme!
- retrucava a konohanin, desviando-se facilmente do golpe, deixando com que ele fosse aparado por uma banca que vendia saquê. - Ops, saquê desta qualidade eu não tomo - ela ironizava, aproximando-se dele e desferindo um soco destro em sua face, arrancando-lhe um pouco de sangue que escorria pelo nariz.

O homem ficou louco de raiva pela humilhação pública. Conhecido no vilarejo por seu jeito de macho alfa, esta totalmente ridicularizado ao apanhar de uma mulher no rosto. Uma mulher! Era tão inadmissível para ele, que seu corpo não pensava em nada mais que recuperar sua honra. Levantando-se, só tinha olhos para Tora. Correndo em sua direção, da um pulo para executar um soco descendente, imediatamente percebido pela garota, que o bloqueava com a mão. No entanto, em termos de força bruta, Tora percebia que ele era ligeiramente mais forte que ela, recuando com dois ágeis pulos para trás. Ele também percebeu a pequena diferença, e sorria:

- Está com medo, garotinha? - ele provocava.

- Como é que é?
- ela enevarva-se com o apelido. - Não tenho medo de machistinhas ridículos como você, que acham que força bruta é tudo. Quero apenas divertir-me neste lindo festival ok, não quero ter de te mandar a um hospital... - ela dizia, ao notar a cara de Raiden ali perto, em tom de reprovação.

- Ahahahahaha, queres desistir depois de ter-me feito isto? Nunca! Vais pagar-me, vagabunda! - ele fazia uma nova investida contra a garota.

Ela deu um longo suspiro, e um meio sorriso para seu sensei - que balançava a cabeça negativamente e de olhos fechados, a pensar "fudeu...". Ele sabia exatamente o que sua pupila ia fazer. Depois de umas doses de bebidas alcóolicas, somadas com ato de misoginia e violência com pessoas mais fracas, além da célebre palavra "garotinha", o homem simplesmente reuniu todos os elementos para a versão galo-de-briga da doce Nara. Estalando seus dedos das mãos e pescoço, Tora dava alguns pulinhos típicos de UFC. O homem gargalhava por conta da coragem dela, e vinha em sua direção, visando chutar-lhe a tíbia. Como um raio, a garota dava um pulo, e aproveitando-se que ainda estava no ar, rodopiava para que sua perna direita acertasse em cheio o rosto do desconhecido, que novamente caía, extremamente irado e a cuspir mais um tanto de sangue. Então ele percebeu que ela não era uma garota comum. Assobiou longamente, um barulho que quase não dava para ouvir dada a euforia das pessoas ao vê-lo ali, fragilizado. Mas Tora havia ouvido, e ao olhar ao redor, notava pelo menos mais umas seis sombras aproximar-se de si, a tentar encurralá-la:

- És homem assim, chamando reforços? Bela bosta de homem que és, covarde estúpido! - ela agora dava um pontapé nele.

Mas ele a agarrara. Levantando-se velozmente, ele começava a girar com a garota no alto, atirando-a ao longe, fazendo-a cair no chafariz central da cidadela, quebrando-o. Um silêncio ensurdecedor reinava no lugar: pessoas a acharem que ela estava morta ou gravemente ferida, o homem comemorando seu feito, e Raiden a calcular os prejuízos que o vilarejo teria ao final da noite. E então, Tora reaparecia: respirando fundo, contendo ao máximo o ódio que sentia, cuspiu a água que havia entrado em sua boca. Seus olhos verdes estavam apertados, enxergando apenas seu oponente, e ela nem sentia direito o corte na testa por conta da sua colisão com a estátua do chafariz, que estava despedaçada. Só percebeu que estava ferida quando o sangue chegou aos lábios, trazendo consigo o conhecido sabor férrico:

- Eu realmente não queria machucar ninguém, mas vocês não me dão escolha... - a voz dela era mansa, mas carregada de ódio mortal.

Correndo por cima das barracas com a leveza de um felino, graças ao seu kinobiri, ela pegava uma das madeiras quebradas da barraca de saquê e partia para cima dele. As pessoas afastavam-se, esperando encontrar um lugar seguro, deixando no centro apenas Tora contra agora sete homens. Até mesmo Raiden achou uma covardia imensa, mas por conhecer sua pupila, agarrava alguns bolinhos e assistia ao espetáculo que estava prestes a começar. Atirando a madeira nos dois primeiros homens da linha de frente, pulava por cima deles agilmente, aterrisando bem no meio da roda que os homens faziam. Agachando-se velozmente, rodopiava com uma perna estendida, visando executar uma rasteira, da qual apenas quatro conseguiram livrar-se. Pulando na barriga de um deles, pegava o impulso necessário para aplicar uma bela cotovelada descendente no rosto de um deles.

Saindo da roda com relativa facilidade, aplicava um murro nas costelas de outro, que virando-se irritado para golpeá-la no rosto, obteve um segundo soco bem na boca do estômago, tirando-lhe o ar e indo ao chão depois de mais um pontapé no peito. Os rostos raivosos ficavam cada vez mais ameaçadores, mas Tora apenas ria-se. Pulando ligeiramente a barraca quebrada de saque, pegava um barril com cerca de metade da sua capacidade. Não era tão leve quanto imaginava que seria, mas não precisou muito tempo para erguê-lo. Emitindo sons guturais, ela aremessava o barril com violência na direção de seus oponentes, cujos dois primeiros eram mais fortemente feridos do que os outros por conta da colisão com a madeira, que após espatifar-se, banhava-os em saquê:

- Ahahahaha, STRIKE! - ela ria-se como uma louca. - Gomen, santo saquê, por te desperdiçar com esses imbecis! - ela virava uma garrafa que miraculosamente ainda não havia quebrado.

Os homens ficavam cada vez mais irados. Partindo para cima dela, dois iam pela frente e mais dois iam por trás, visando cercá-la. Ela fingia uma dor de cabeça - na verdade não era bem fingimento, afinal, ela começava a sentir os efeitos do corte no chafariz - enquanto os homens executaram o ataque simultâneo. Pensando terem agarrado a garota, ficaram embasbacados quando viram que ela transformava-se num barril, e a verdadeira estava por cima, pulando dele para o chão fora do novo círculo formado de oponentes. Um estava com as pernas separadas, e aproveitando-se disto, ela executava um chute ascendente entre elas, em direção aos genitais. A força empregada pela chuunin fora tanta que o deixou completamente fora de combate, e agora desviava-se agilmente de uma chuva de murros, agarrando um punho qualquer para usar como apoio e poder chutar a cara de alguém que estava à sua frente. Ainda agarrada a este punho, ela pontapeava para trás, alcançando a barriga deste homem - que com a dor, não pôde defender-se do puxão que ela dava para a frente, fazendo-o passar por cima de seu ombro, finalizando com um pisão nos genitais.

- O que você é, demônia do cabelo azul? - perguntava-se o último homem ainda de pé. o Mesmo do início da briga.

- Sou seu pior pesadelo, seu imbecil! - ela exibia um sorriso demoníaco. - O que você quer? Se estuprado por este pedaço de pau - ela mostrava o que tinha em mãos - ou ser nocauteado por meus punhos?

- Nocauteado! - ele começava a andar para trás.

- Errado. Vai ser a primeira opção. Porque eu quero! - ela dizia, depois de agrupar chakra nos olhos e atingir o homem quando o encarava.

Ele parecia petrificado com a ilusão que via. A Nara ria-se, antes de pegar a madeira e golpeá-lo na nuca, deixando-o fora de combate. Ainda haviam homens conscientes, mas eles apenas saíram correndo depois que a chuunin concentrava chakra no seu corpo e endurecia sua pele com o Domu. Desativando seu jutsu, ela novamente estalava os dedos e o pescoço, a gritar, como se nada tivesse acontecido:

- Quero dançar novamente! Vamos lá!

Voltar ao Topo Ir em baixo
Eve

Administrador | Konoha
Administrador | Konoha


Sexo : Feminino
Idade : 24
Localização : Hellcife
Número de Mensagens : 3002

Registo Ninja
Nome: Nara Tora
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 6885
Total de Habilitações: 267,75

MensagemAssunto: Re: [T22 - Nara Tora] Porrada   Sab 23 Jul 2016 - 19:27

bump
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ozzymandias

Membro | Nukenin
Membro | Nukenin


Sexo : Masculino
Idade : 60
Localização : Unknown
Número de Mensagens : 3930

Registo Ninja
Nome: Hiroshi Daisuke
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 30460
Total de Habilitações: 903,25

MensagemAssunto: Re: [T22 - Nara Tora] Porrada   Dom 24 Jul 2016 - 14:19

Avaliação de Nara Tora

Habilitações Ninja

Ninjutsu: 44,75 + 0,5 = 45,25
Taijutsu: 25,5 + 1,5 = 27
Kenjutsu: 23,25
Genjutsu: 5 + 0,25 = 5,25
Selos: 12,25
Trabalho em Equipa: 12,75

Habilitações Corporais

Força: 12,25 + 0,75 = 13
Agilidade: 25 + 1,5 = 26,5
Controlo de Chakra: 42,75 + 0,75 = 43,5
Raciocínio: 14
Constituição: 28,5 + 0,5 = 29

Total da Avaliação: 5,75 / 6

Somatório: 246 + 5,75 = 251,75

Comentários: #medo


Atualizado.
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[T22 - Nara Tora] Porrada
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Konohagakure :: Treinos-
'); }