Naruto Portugal RPG
Sê bem-vindo ao Naruto Portugal RPG! Para teres acesso completo ao conteúdo do fórum, deves fazer Login ou Registar-te.



E o ciclo da vida repete-se! As pacíficas vilas voltam a unir-se para combater um mal em comum. Vem conhecer o melhor e mais antigo role play de Naruto, totalmente em português.
 
InícioPortalCalendárioFAQBuscarRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 [Capítulo 2] Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Piperama

Membro | Konoha
Membro | Konoha


Sexo : Feminino
Idade : 20
Localização : Rio de Janeiro
Número de Mensagens : 17

Registo Ninja
Nome: Akimichi Ai
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 0
Total de Habilitações: 24

MensagemAssunto: [Capítulo 2] Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas   Seg 8 Ago 2016 - 23:02

<< Capítulo 1 | Kuma Deve Ser Protegido

Capítulo 2
Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas


Desde que descobri sobre os bolos, Kai se aproximou de mim. Era comum, nos finais das tardes, que nos encontrássemos em uma clareira próxima à minha casa. Lá se ouvia apenas as árvores cantarem ao serem sacudidas pelo vento e o ruído habitual que as pessoas da vila faziam, ao longe. Era uma espécie de refúgio para mim, então, não vi problema algum em tornar o lugar um refúgio para o rapaz.

Kai era mais alto que eu alguns centímetros, e seus cabelos eram mais loiros que os meus. Visualmente era perceptível que o garoto era encrenca: seu rosto carregava uma expressão dura, seus braços eram grandes, o peitoral era maior ainda e sua calça apertava com a grossura das coxas. Apesar da aparência de delinquente, Kai tinha algo de gracioso também, mas isso só se via com um olhar mais atento. Sua risada era tão macia quanto suas mãos, e ele tinha um cheiro bom de erva doce. Seus bolos eram quase tão gostosos quanto os da minha mãe Cho, e passávamos horas conversando sobre qualquer coisa. As pessoas só falam parte daquilo que sentem, mas com o tempo acabei me tornando instintivamente boa em decifrar todo o resto. Aquele lugar era tão bom pro Kai que eu me perguntava se ele alguma vez já tinha se permitido ser ele mesmo com outra pessoa.

Em uma das tardes, ele me perguntou sobre o Kuma.

- O menino que anda contigo. Fale sobre ele. – sugeriu, sutil como algum tipo de bigorna.

- Kuma? A boca dele é uma delícia, devia experimentar.

Kai ficou vermelho mais rápido do que eu poderia de ser meu nome. Precisei salvá-lo do seu rosto em chamas.

- Ele é um passarinho e a galera pega pesado com ele. Tomei como missão protege-lo.
- Ele parece precisar de proteção.

- Na verdade, não tanto quanto parece. Ele é brilhante – falei, sem gota alguma de mentira na boca. A verdade é que Kuma tem uma aptidão natural para a medicina desde que era mais passarinho do que hoje, e quando “o acidente” aconteceu, descobri que eu que na verdade era sortuda por tê-lo, e não o contrário. Quando falo “o acidente”, é claro que falo do dia em que explodiram um dos meus tímpanos.

No dia da formatura, não existia fenômeno no mundo mais violento que as borboletas no meu estômago. Talvez elas estivessem prevendo o que aconteceria, ou talvez fosse somente o nervosismo. Minha mãe havia exagerado na maquiagem, de modo que passei um bom tempo removendo aquela máscara estranha das bochechas. Escolhi minha melhor roupa e trancei meu cabelo longo de maneira quase escultural. Kuma estava lindo também. Seus cabelos ruivos estavam penteados para trás, com algum produto que os deixou mais lustrosos que o normal. Suas sardas pareciam anunciar seus olhos cor de mel, e o tecido que vestia era tão suave que senti vontade de passar a mão por todo o corpo do meu namorado de mentira.

Kuma estava nervoso por outro motivo. Um rapaz já graduado, uns dois anos mais velho monitor que todos chamam de Búfalo por ser parrudo e grande, havia flertado com o passarinho durante toda a semana. Eles iam se encontrar no andar de cima da escola, bem longe do auditório onde a festa de graduação estava acontecendo e bem longe dos olhos maldosos de todos. Foi Kuma sair de perto que as coisas desandaram.

Uma carta me foi entregue, e nela o próprio Kuma me chamava para ir até a entrada da floresta. Estranhei sim, mas o passarinho era um pouco ansioso quando o assunto era garotos, então imaginei que ele estive querendo alguém para acalmá-lo. Quando cheguei no campo gramado que terminava em árvores assustadoramente densas, não o vi. Cheguei a pensar que ele tinha me deixado plantada ali enquanto beijava outro rapaz e, no fim das contas, estava meio certa. Naquele momento, enquanto eu encarava as árvores, Kuma tinha a língua chupada pelo Búfalo dentro da sala dos monitores, no segundo andar, e os dois estavam com o tesão a flor da pele, roçando um o corpo no outro como se estivessem tentando fazer fogo.

Eu devia ter ido embora, devia ter desconfiado, mas por algum motivo permaneci. Foi quando vi o papel colado naquela casca dura de árvore, indecifrável e mortal. Tinha um desenho meu nele, eu poderia reconhecer a trança. Desenharam-me gorda como eu era, bochechuda como eu era, mas nada de gracioso havia naquele rabisco. Arrastei minhas coxas grossas até lá como uma mariposa se arrasta até a destruição disfarçada de luz. Havia algo escrito, mas as letras eram pequenas. Aproximei o rosto para que a morte me beijasse melhor. As palavras se tornaram nítidas do papel.

“Ai Gorda Defensora das Bichas”

Fiquei enjoada. Ao mesmo tempo, Kuma ficava em êxtase porque agora Búfalo chupava outras partes suas. Kai, que estava no auditório, ouvia o boato de que Kuma e Búfalo estavam aos pegas em algum lugar da escola.

Kai socou a mesa de bebidas, sua raiva explodindo.

Kuma socou a parede, seu tesão explodindo.

Eu esmurrei a árvore com fúria.

Minha cabeça explodiu.

Cai no chão com tanta força que quase acreditei já ter sido enterrada para não dar trabalho. Tudo era borrão. Um zunido fino atravessava minha mente munido de facas. Não sentia parte alguma do corpo queimando além do punho, que ainda estava serrado, mas minha mente tinha virado geleia. Alguém estava ali, me sacudindo desesperadamente. Alguém gritava? Não podia dizer, era como se tivessem cortado minha cabeça e colocado num pote de picles.

Acordei numa cama de hospital.

Abri com dificuldades os olhos, a claridade era incômoda. Eu estava enjoada e perdida. Minha cabeça estava enfaixada e eu não conseguia ouvir nada com o ouvido esquerdo. Com o direito, ouvi alguém chorando muito, e vi que esse alguém era minha mãe Cho. Não a culpo, eu parecia pior do que realmente estava, e ela é um poço fundo de sentimentos. Nos abraçamos. Vi que Kuma também estava ali, de rosto aflito. Descobri, depois de um tempo, que ele, mesmo não estando imediatamente no local do acidente, foi o responsável pelos primeiros socorros. Ele, que era meu namorado para todos os efeitos, foi obviamente o primeiro a saber. Com algum ninjutsu médico cuidou da minha mão e se manteve perto do meu rosto tentando me devolver a audição a todo custo, sem sucesso. Ele então não tirou um cochilo sequer por cerca de três dias, atento a tudo que os médicos falavam para que eu soubesse de tudo depois.

Aparentemente, foi uma brincadeira de criança que deu muito errado. A responsável por isso era Mimi, uma aluna com sérios problemas de atitude que estava agora dominada pela culpa e pelo pesar. Ela e os envolvidos foram severamente punidos. Kuma chegou a achar que Búfalo estava envolvido em toda a história e se sentiu traído, mas a escola nunca chegou a saber do encontro dos dois. Foi só uma coincidência ruim.

- Eles estão juntos, então? Quero dizer, o passarinho e o Búfalo? – indagou Kai, um pouco mais murcho do que realmente queria parecer.

- Pelo que sei, Kuma e eu ainda somos namorados – gracejei -, mas sei que Kuma é frequentemente visitado pelo garoto dos chupões.

- Espero que sejam felizes juntos.

Kai ficou parado um tempo fitando os próprios pés. Observei que seus olhos pareciam um pouco perdidos. Segurei sua mão e puxei seu braço por cima dos meus ombros. Enlacei sua cintura com meus braços e encostei a cabeça em seu peito. Senti seu coração bater forte. No fim das contas, Kai e eu éramos duas pessoas quebradas. Coisas quebradas devem ser protegidas.
Voltar ao Topo Ir em baixo
GhosTTerroR

Membro | Suna
Membro | Suna


Sexo : Masculino
Idade : 29
Localização : Porto / Coimbra
Número de Mensagens : 5164

Registo Ninja
Nome: Himura Senshou
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 2850
Total de Habilitações: 180,75

MensagemAssunto: Re: [Capítulo 2] Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas   Qua 10 Ago 2016 - 9:00

Uma escrita "pro" !

A história está a revelar-se uma interessante novela no mundo naruto em "first person".

Continua e diverte-te!
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://www.myspace.com/ghostterror
Piperama

Membro | Konoha
Membro | Konoha


Sexo : Feminino
Idade : 20
Localização : Rio de Janeiro
Número de Mensagens : 17

Registo Ninja
Nome: Akimichi Ai
Ryo (dinheiro) Ryo (dinheiro): 0
Total de Habilitações: 24

MensagemAssunto: Re: [Capítulo 2] Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas   Dom 14 Ago 2016 - 4:21

Opa, Ghost, muito obrigado por isso e por acompanhar!
Continuarei ferrenha! Smile
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[Capítulo 2] Coisas Quebradas Devem Ser Protegidas
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
A tua mensagem foi automaticamente gravada. Poderás recuperá-la caso aconteça algum problema
Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Naruto Portugal RPG :: Konohagakure :: Fillers-
'); }